Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Desafio

 

 

Jorge Cabral

 

 

Franquelização, ou a saga da moda

A “franquelização” é um fenómeno demasiado arreigado na sociedade política portuguesa, apesar de só se dar a conhecer quando os intervenientes padecem de “naivismo agudo contundente”. Se quiséssemos estabelecer uma analogia com a natureza não consigo arranjar melhor imagem para ela que o Jacaré africano, esquiço, quanto mais velho mais arguto e falso.
Sub-reptício como convém a um bom réptil e atento a tudo o que o rodeia para espreitar as melhores oportunidades, ataca sempre sem qualquer chance para a vítima. Domina o seu meio e nele não é incomodado por ninguém nem por nada (salvo raríssimas excepções).
Pois bem. Identificado e avaliado o “bicho”, ou a moléstia, ou como entenderem chamar, importa, isso sim, saber como fazer para o ou a contrariar. Temos três vias, na primeira, aquela que seria seguida numa sociedade culta e desenvolvida, o animal seria cuidadosamente posto no Jardim Zoológico, entre grades convenientes para que nada lhe sucedesse de mal; na segunda, em sítios menos comprometidos com o respeito animal ou mais interessados em respostas prontas, exemplares e pragmáticas, a solução do zagalote naquele triangulosito bem no cimo da cabeça, seria a solução preferencial; e por último a terceira opção é a portuguesa em que o fenómeno é alimentado pela própria democracia e defendido acerrimamente pelos seus mais altos guardiões.
Mas nesta última opção há um perigo: o de um dia vermos a degradação chegar ao limite inadmissível de até um Primeiro-ministro o defender despudoradamente, perdendo-se no lodaçal em que assim entrará sem mais de lá poder sair. Fazê-lo, seria assumir uma soberba insuportável por qualquer sociedade que preze a sua dignidade e os valores mais elementares da civilização ocidental.
Que os seus (do fenómeno) apaniguados clamem por argumentos de “legalidade” ou de não acusação pela “Justiça”, todos o compreenderemos, pois que a “legalidade” é em grande medida feita por Leis que eles próprios urdiram a seu jeito e conveniência e a “Justiça” nada mais pode fazer que aplicá-las. Mas um Primeiro-ministro, decididamente, não!
Se chegássemos a esse ponto, julgo que pouco ou nada nos restaria que enveredar decididamente pela segunda opção. Se a moléstia é grande, já não é tratável. Ou acabamos com ela ou ela acaba connosco.
É verdade, já me esquecia caros coleitores! Para quando um novo, de excelência e LIMPO Partido?




por João Severino às 10:29
link do post | comentar | favorito
| partilhar

pptao

Um blogue onde deixarei simples observações sobre o que vai acontecendo à nossa volta neste mundo global. Também serve de contacto com imensas pessoas que gostaram de mim. O título do blogue? Porque sempre fui "pau para toda a obra". Obrigado por ter vindo. “Morrendo estou na vida, em morte vivo; / vejo sem olhos, e sem língua falo; / e juntamente passo glória e pena.”, Camões

widgets

arte

João Eduardo Severino

Create Your Badge

a frase

"A vida é muito curta para termos inimigos"
Ayrton Senna

Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

links

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

cv

Jornalista com a Carteira Profissional nº 278. Já restam poucos do meu tempo. Como último cargo fui director e proprietário do diário 'Macau Hoje'. Pode ler o meu CV completo na primeira mensagem de Outubro de 2007.

subscrever feeds

visitantes


widgeo.net

tags

todas as tags