Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

90 anos sem ir ao médico

Nunca quis casar e já tinha 90 anos quando foi pela primeira vez ao médico a centenária Ester Alves, de Formoselos, Ribeira de Pena, que hoje comemora o seu centésimo segundo aniversário.
"Nunca casou porque não quis e também não nos deixava namorar. Andava sempre atrás de nós para nos controlar", disse à Lusa Maria Cristina Martins, uma prima já distante de Ester Alves. Acamada há três anos por causa de um AVC - Acidente Vascular Cerebral, Ester Alves já tem, segundo a prima, dias em que não está muito lúcida.
"Hoje responde-nos a tudo. Sabe perfeitamente que faz anos e que amanhã (sábado) vai haver festa em sua honra", disse Maria Cristina. Uma festa a que se vai juntar a população de Formoselos e até o presidente da Câmara de Ribeira de Pena, Agostinho Pinto.

Mário Lino já voa

O ministro das Obras Públicas e Transportes provocou a risada geral esta manhã na Assembleia da República. Os deputados chegaram a pensar que estavam a asistir a teatro de revista. Mário Lino a dada altura disse: "Eu nunca vi, eu nunca vi nenhum partido vir aqui dizer que ao ser governo não privatizava as Asas de Portugal.... perdão, as Estradas de Portugal!" Lino já voa.

Publicidade (1)

E você? É dono do seu banco?

Reserve já um banco para si na Tasca do Fífias. A Tasca do Fífias tem os melhores pitéus prontos a digerir: desemprego, trabalho precário, impostos nos sacos de plástico e aeroportos aos molhinhos. A Tasca do Fífias fica na zona central da capital junto ao hospital de S. Bento.

Cristina hoje em Coimbra


Cristina Branco, uma das melhores vozes portuguesas, canta hoje à noite Zeca Afonso em Coimbra. O espectáculo tem lugar às 21.30 horas, no Teatro Gil Vicente. Cristina vai estar acompanhada por Ricardo Dias ao piano, Mário Delgado na guitarra eléctrica, Bernardo Moreira no contrabaixo e Alexandre Frazão à bateria. No dia 13 Cristina Branco canta em Viana do Castelo, 14 em Santa Maria da Feira, 15 em Braga e a 17 em Lisboa.

IMPARCIAL (2)


Martim Avillez Figueiredo, director do "Diário Económico", será director da Sonae SGPS, que, assim, dá mais um passo na reestruturação que está a ser promovida por Paulo Azevedo, desde que este subsituiu o seu pai à frente da "holding". A nomeação deve ser anunciada a qualquer momento e Avillez Figueiredo deverá desempenhar funções de primeira linha sobretudo de aconselhamento, muito próximas da actuação da comissão Executiva, disse o Expresso on line.
É para isto que se é director de jornal? Que independência pode ter um jornal com ligações deste tipo?

Cimeira EU-África


Foto Rodrigo Silva

- E eu? E eu não posso entrar na Cimeira? Sim, eu!
Eu que passo fome em África
Eu que tenho sida
Eu que levo porrada todos os dias dos algozes dos petróleos, dos diamantes, dos ouros e das armas
Eu que sou obrigada a prostituir-me para saciedade dos senhores dos regimes
Eu que tenho 14 filhos e nunca soube o que era leite de vaca
Eu que vivo numa tabanca a moer milho
Eu que morro de tuberculose
Eu que ando 20 quilómetros por dia para vender as mangas...

Alerta às mulheres

Se por acaso no vosso cabeleireiro ou em qualquer salão de beleza vos falarem em depilação. Das pernas, dos braços ou simplesmente do buço, tenham muito cuidado porque anda meio mundo a enganar o outro meio. Por exemplo, se lhe disserem para depilar o buço, coisa rápida, fácil, barata "e pode estar descansada para sempre, tiramos-lhe os pelos uma vez e pronto nunca mais crescem". Cuidado. Muito cuidado porque é mentira.
É assim: em cinco minutos fazem-lhe a depilação e depois dizem-lhe o seguinte: "Pronto, já está! Agora aplica este produto de manhã e à noite, volta cá daqui a oito dias para retirarmos os pêlos mortos e agora vamos marcar para o mês que vem e hoje são 65 euros!".
Espanta-se com o preço, com o produto que se tem de comprar e com a proposta para o mês seguinte. "Sim, sim, agora tem de voltar todos os meses!". - O quê? Todos os meses?
É verdade, pelo menos meia dúzia deles... assim é fácil ganhar dinheiro.

Nota: Estamos a falar de depilação por sistema laser

Sabia que...

Para produzir a energia necessária para as iluminações de Natal são emitidos milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera?
Esta é mais do que uma razão para que não se deseje a conversão ao cristianismo de mil milhões de muçulmanos...

In O Inimigo Público

Sexta muito mau

Sexta é feminino mas é masculino. Que raio de coisa é essa? Sexta é uma espécie de jornal gratuito que o Público inventou. Aquilo é pior do que cuspir na sopa ou dizer aos miúdos que se não comem a sopa vem aí o Kadhafi. Aquela espécie de feminino sendo um masculino, uma espécie de jornal, é muito mau. Devia ser banido imediatamente de qualquer mão leitora, incluindo a do José Manuel Fernandes. Os jornais regionais que são apontados como pasquins, que não mudam a imagem há 40 anos, que não têm um jornalista sequer ao seu serviço e que apresentam um grafismo de fugir a muitos pés, estão perdoados. Podem continuar como estão a ser publicados porque esta, perdão, este Sexta é 20 vezes pior do que qualquer pasquim que se publica por esse país fora. O planeta agradece que acabem com essa me...scla de jornal.

O suprasumo

José Miguel Júdice vai hoje ao Porto intervir numa conferência. Para quê? Para desancar no antigo bastonário da Ordem dos Advogados Rogério Alves e no novo, Marinho Pinto. E antes da conferência pronunciou-se assim: "Se o mandato de Rogério Alves foi uma tragédia, o de Marinho Pinto será uma tragédia ao quadrado". Kadhafi não diria melhor...

Patrões podem rasgar acordos salariais

Aconfederação dos industriais, CIP, ameaça quebrar o acordo sobre o aumento progressivo do salário mínimo dos actuais 403 euros para os 450 euros em 2009, caso o Governo não dispense contrapartidas. Os industriais querem erradicar as contribuições sociais sobre as horas extraordinárias e limitar as indemnizações por despedimentos e mais flexibilidade laboral.

Há tendas no caminho

O meu conselho vai direitinho para todos os que residem na Grande Lisboa e que não estejam obrigados a ir trabalhar. Deixem-se ficar em casa porque numa casa-forte está Lisboa transformada. Polícias nas ruas são cerca de três mil, artérias encerradas e trânsito controlado é um vê se te avias. Se passar na rua com chapéu enfiado pela cabeça abaixo com um cachecol enrolado ao pescoço e de óculos de sol arrisca-se a ser detido como suspeito de potencial terrorista. Tudo isto porque resolveram transformar uma cidade pacata, apesar das obras múltiplas e raramente com polícia nas ruas numa fortaleza de sem-abrigos mas com a possibilidade de serem visitados por gente ilustre nas tendas que montam à beira-Tejo...
Quem poderá ficar sem abrigo no próximo ano são mais de 600 trabalhadores da Portugal Telecom. O seu presidente anunciou na televisão que este ano despediu cerca de 600 e que para o ano devem ir à vidinha mais de 600. O que Granadeiro não disse é que a PT não funciona sem mão humana. Se despediu 600 e vai despedir mais um tanto, no Natal de 2008 arriscávamo-nos a não ter telefone porque não haveria ninguém para colocar a empresa em funcionamento. Não, meus amigos. O que Granadeiro não disse é que , infelizmente, na sua empresa não existe redução de postos de trabalho, mas sim substituição de trabalhadores efectivos por outros a título precário e sem direitos. É este o país de choque tecnologicamente novo que o Governo permite que se accione. Sendo assim, qualquer dia não se admirem de os portugueses, por uma vez só que seja, percam a paciência... Uma paciência dos diabos tiveram ontem os jogadorers do Braga para aguentar um empate precioso em Salónica deixando ainda a possibilidade de qualificação na UEFA para o último jogo da ronda. Aguardamos os comentários de Rui Santos...

Música no Porto

A Orquestra Nacional do Porto (ONP), dirigida pelo maestro Peter Rundel, apresenta hoje, na Casa da Música, no ciclo ONP à Sexta, o "Concerto para Trompas", com obras de Haydn, Kagel e Mahler.
O concerto abre com a execução de "Toque de Trompas", da Sinfonia nº 31, de Haydn (1732-1809), escrita numa altura em que o compositor tinha quatro trompistas ao serviço da orquestra do príncipe Paul Anton Esterházy, para quem trabalhava.
De Maurício Kagel (1931), a ONP apresenta "Rrrrrrr...", uma obra constituída por 41 peças autónomas que podem ser tocadas separadamente e cujos títulos começam todos pela letra R.
As peças podem ser agrupadas por combinações de instrumentos em seis "unidades", sendo 11 peças para sopros, contrabaixos e percussão, sete peças para coro misto com piano ad libitum, oito peças para órgão, seis peças para dois percussionistas, quatro peças para voz solo com acompanhamento de piano e cinco peças para grupo de jazz.
"Der Knaben Wunderhorn(A trompa mágica do rapaz)", escrita por Gustav Mahler (1880-1911) depois de o compositor ter lido a colectânea de poesia popular alemã homónima, encerra o programa deste ONP à Sexta.
O concerto inicia-se às 21:30 mas as portas da Sala Suggia abrem um pouco mais cedo, pelas 20:45, para uma introdução ao concerto, assegurada pelo musicólogo Rui Pedro Pereira.

20 mil euroscândalos


O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) criticou a contratação de serviços do advogado João Pedroso pelo Ministério da Educação, assegurando não haver qualquer justificação de ordem técnica para essa opção, já que o Estado emprega centenas de juristas.
Em declarações à agência Lusa, o presidente do STE, Bettencourt Picanço, considerou que esta contratação ilustra a "alarmante" política do Governo, que "nos últimos quatro anos reduziu 173 milhões de euros em despesas com pessoal, mas gastou 3.700 milhões na aquisição de serviços", ou seja, 20 vezes mais.
As contas apresentadas pelo responsável do STE referem-se ao período entre 2004 e 2008, baseando-se no balanço dos últimos três anos e no Orçamento do Estado para o próximo ano.
"É óbvio que isto é impensável. Não há administração que resista com contratações e aquisições de serviços como esta", afirmou, adiantando já ter recebido várias denúncias sobre este caso.

Trabalho podia ser feito por "qualquer jurista"
Para Bettencourt Picanço, o trabalho de levantamento e compilação da legislação produzida pelo Ministério da Educação, requisitada ao irmão do ex-ministro socialista Paulo Pedroso, poderia ser realizado num curto espaço de tempo por qualquer jurista da Administração Pública, com acesso às bases de dados existentes.
"Em termos técnicos e de necessidades de serviço não há nenhuma justificação para isso. Obviamente, são outras razões", afirmou.
Na Assembleia da República, durante uma interpelação ao Governo sobre Educação, o deputado do PSD Emídio Guerreiro considerou hoje "verdadeiramente escandaloso" que o ME "tenha contratado por duas vezes um conhecido advogado ligado ao PS", para fazer uma obra de compilação de leis e um manual de direito da educação.

Salário de 20 mil euros
Segundo o deputado, João Pedroso foi contratado em 2006 para desempenhar aquela tarefa, com um vencimento mensal de 1.500 euros, tendo este ano assinado um novo contrato, desta vez por cerca de 20 mil euros mensais, para realizar a obra que não chegou a ser feita da primeira vez.
Da mesma forma, o presidente do STE considerou que "é uma enormidade projectar um trabalho desses com essa remuneração como se não houvesse técnicos na administração capazes".
Contactado pela Lusa, João Pedroso preferiu não fazer comentários sobre
o assunto. Pudera, com um tacho destes ninguém abre a boca... já abriu!