Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

Blogando com prazer (119)

photo Gabriele Rigon

Gosto...

...de tocar nas palavras
Nas mãos e nos olhos
Gosto de pernas
Dedos e da curva do pescoço
Gosto de classe
Calma e tranquilidade
Gosto de organização
Equilíbrio e elegância
Gosto da Amy
da Adele e da Duffy
Gosto de Torga
Do Júdice e do Belo
Gosto de escrever
Escrever e escrever
De ouvir
De conversar e de apenas olhar
Gosto de aqui chegar
e de apenas deixar que os meus dedos dedilhem o que me vai na alma
Mesmo quando nada de novo tenho para dizer.

Madalena, in Aliciante (nossos links - Recomendo)

Não é pessimismo


Relativamente à selecção nacional de futebol não quero que pensem que sou um pessimista inveterado. Simplesmente pretendo manifestar-vos o realismo com que analiso o que se passa entre os 23 escolhidos por Scolari para o Europeu 2008. A selecção no jogo-treino com a Geórgia não jogou nenhum futebol de alta competição, que é o que se precisa para a Suíça. Quem pode ganhar por 4, por 6 ou por 10 não se fica por 2 golos, que entraram por mero acaso e por deficiência técnica de um adversário limitado que se encontrou pela frente. Mais valia terem jogado com o Académico de Viseu, talvez tivessem encontrado mais dificuldades. A selecção tem um problema: vedetas a mais. Não se iludam caros leitores porque essas vedetas estão-se nas tintas para o Euro, eles querem é saber se vão para o Inter, para o Real Madrid, para o Arsenal ou para o Chelsea. Eles querem saber é se podem trocar dentro de um mês o Audi ou o Porsche por um Bugatti ou Ferrari. Eles querem é saber quantos milhões é que tocam na conta bancária para sustentar mais 10 ou 20 namoradas. Eles querem é dar nas vistas. Nesse sentido, já aqui dissemos que o ambiente no balneário é de cortar à faca. Todas as "vedetas" querem jogar. E zangam-se com Scolari se não entram no onze inicial. Vimos como o treinador ficou magoado com as caretas que alguns fizeram e a má disposição com que estavam no banco, tudo porque só podem jogar onze e as "vedetas" pensam que podem alinhar 22.
Resumindo, receio muito que a selecção não passe da série de Grupos. Não sou dos que pensam que vamos à final ou que vamos ganhar a taça, por obra e graça do Espírito Santo. Não, nem pensar. A nossa equipa está mal treinada entre si por falta de tempo. Ainda ontem o Cristiano, Ricardo Carvalho, Paulo Ferreira , Nani e Pepe andavam a jogar nos seus clubes. Foram a correr para Viseu onde mal tiveram tempo de cheirar o ar puro da região, porque o importante era estar ao telemóvel com Jorge Mendes.
Escrevo estas linhas com o desejo sincero de que a nossa selecção pudesse ir à final e trazer a taça para Portugal, mas com o intuito de chamar à atenção dos entusiastas acelerados para que não atirem foguetes antes da festa e que analisem bem a realidade. E na realidade a nossa selecção não é uma boa equipa que pratique bom futebol. É apenas um conjunto de muito bons jogadores e cada um a querer levar a bola para casa como, aliás, disse Scolari...

Leitor do dia (40)

O nosso blogue PPTAO já foi visitado em 84 países. A média diária está a cifrar-se em 250 cliques. O leitor ou a leitora que hoje contemplo nesta rubrica visitou o PPTAO em Canandaigua, Nova Iorque - EUA. Grande abraço e volte sempre.

Os oportunistas saltaram logo da toca...

O espectáculo à volta do momento vitorioso de Manuela Ferreira Leite, ontem à noite, foi degradante, em alguns casos, mesmo obsceno e o mais oportunista que se possa ver em qualquer situação da vida.
Muitos dos que tinham andado pelos corredores da maledicência contra o seu próprio partido e dirigentes eleitos do PSD sairam ontem da toca da cobardia e da traição e correram a grande velocidade para o hotel da vitória da candidata Ferreira Leite. As palmas e beijinhos de Judas foram muitos. A dado momento a minha alma ficou parva ao ver que andava por lá um "pavão" que me meteu nojo. Um daqueles sociais-democratas de "meia-tigela", como diz o outro, que para onde o vento no PSD tem virado ele também vai na onda cíclica. Com uma agravante. Ainda muito recentemente tinha um "tacho" daqueles bem chorudos na Madeira; ainda há pouco tecia as maiores loas a Alberto João Jardim e lambia-lhe os pés, bem como, aos governantes regionais; ainda há pouco tempo elevou o seu nível de vida à custa do chorudo "tacho" e, de um momento para o outro, quando previu que possivelmente o Alberto João não lhe daria a presidência de uma fundação a criar, não fez mais do que trair o chefe do governo madeirense e aliar-se politicamente à oposição regional. Esse mesmo oportunista já lá estava ontem a dar beijinhos a Ferreira Leite e a mostrar-se para as câmaras de televisão pensando certamente num "tacho" novo quando a nova líder chegasse ao poder. Como dizem os católicos, 'Deus escreve direito por linhas tortas', e nesse aspecto, não haverá "tacho" para ninguém porque José Sócrates já abriu ontem o champanhe celebrante de 2009...

Não me falem de crianças...

Hoje celebra-se mais uma daquelas efemérides estúpidas que tentam chamar a atenção de uma coisa sobre a qual se devia congregar diariamente a dádiva dos homens. Lá vem a história repetitiva de que Natal deve ser todos os dias. As crianças que fazem parte do nosso quotidiano, que estão em toda a parte, desde os infantários para ricos às ruas do bairro degradado onde são abusadas ou exploradas. As crianças que se dizem inocentes mas que sabem perfeitamente o que de bom ou de mau têm pela frente, começando pelos pais. Hoje falam das crianças...
Por favor, não me falem em crianças... porque elas são o meu grande desgosto. A minha grande tristeza. Talvez por ser um dom que Deus me concedeu, no meio das poucas virtudes com que me contemplou, as crianças, quaisquer crianças, de qualquer raça ou extracto social, nutriam pela minha pessoa uma atracção e uma simpatia muito especial. Até os bebés quando lhes sorria logo me respondiam com os lábios a mexer de forma satisfeita. Eu chegava a um parque e logo começavam a jogar à bola comigo. Se transportava os meus filhos de carro, logo cinco, seis e uma vez oito também preferiam a minha condução para a escola à dos seus pais. Se era convidado para uma festa de aniversário ou casamento, passados dez minutos já me encontrava rodeado de crianças a realizar fantochadas de magias ou a contar histórias que resultavam em risadas ou em jogos. Sentado em restaurante onde estivesse uma criança com os pais, o seu olhar virava-se para mim e passados uns minutos já trocávamos sorrisos. Mantive durante anos um programa de rádio no qual o gáudio dos ouvintes-adultos era o meu diálogo mantido com as crianças. E por diante, não faltariam episódios para vos manifestar a minha relação estreita com as crianças, que em todo o mundo sempre me dispensaram uma ternura especial.
Mas, infelizmente, tudo acabou. É o meu grande desgosto, a minha grande tristeza, repito. Voluntária e conscientemente dei por mim a afastar-me das crianças. Já não há uma festinha, uma brincadeira, um beijo, um jogo de bola, uma brincadeira de magia... o mundo mudou, as pessoas mudaram apesar das crianças continuarem a ter os mesmos gostos e as mesmas tendências. Mas, eu é que senti que a mudança de paradigmas na psicologia paterno-infantil mudou de tal ordem que me inibe automaticamente de me aproximar das crianças, quase que por instinto. É grande a minha dor de alma ao deixar de privar com as crianças, mas os filhos da puta dos pedófilos fizeram que toda a gente desconfie de toda a gente no que respeita à intimidade, mesmo que sã e pura, com as crianças...
Mas, eu tinha dito que não queria falar de crianças...

Comentário oportuno de Joshua

Não és o único, João. Hoje, antes de manifestarmos uma pureza ternurenta por crianças, temos de evitar dar azo a quaisquer espécie de problemas e eles podem ser gerados vindos de onde menos esperemos, transformados em rumor, transformados em difamação.
Nada será como dantes e quando falas dos teus dons com as crianças eu lembro os meus, de certa forma semelhantes. É triste.
Mas é preciso ser feliz remar contra a maré. Não podemos ser prisioneios do preconceito dos outros.

PALAVROSSAVRVS REX

Comentário oportuno de David

Como já aqui testemunhei, se há quem possa falar de cátedra sobre tratar bem as crianças é o João Severino. Quer no plano profissional, como alguém já recordou, quer ao nível pessoal.
Para si, meu Amigo, dia da criança é a vida inteira. Sei disso e beneficiei disso.
Um grande abraço

Revista de imprensa (16)

O 'Público' só viu as coisas com um olho: «Primeira mulher à fente de um grande partido em Portugal». Ninguém sabe se o PSD continuará a ser um grande partido, mas a ganhadora, que eu me lembre, é a «Primeira mulher à frente de um partido em Portugal», por pequeno que o partido se tornasse...

J.C.

Pág. 50/50