Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

ESCANDALOSO E CHOCANTE

> SIC Notícias. Programa 'Negócios da Semana'. O moderador pergunta a Mira Amaral o que acha sobre os três milhões de euros que o presidente da EDP, António Mexia, recebeu no ano passado. Mira Amaral responde: "Chocante!". O moderador faz a mesma pergunta a Henrique Neto, e este retorquiu: "Escandaloso!".

VERGONHOSO

> A deputada Inês de Medeiros devia solicitar ao Partido Socialista a sua substituição na Assembleia da República se tivesse o mínimo de respeito pela Casa do Povo e pelos seus pares, depois de ter enviado uma carta para o presidente Jaime Gama e simultaneamente para os jornais, sobre o pagamento das suas viagens privadas entre Lisboa e Paris, as quais não quer pagar.
Esta tarde, à entrada para o debate com o primeiro-ministro, o presidente Jaime Gama afirmou que foi através da comunicação social que tomou conhecimento da carta que lhe foi enviada por Inês de Medeiros, do PS.
Lamentável e vergonhoso.

DEIXEM PORTUGAL EM PAZ


> "Eles-comem-tudo-eles-comem-tudo-eles-comem-tudo-e-não-deixam-nada", cantava o Zeca Afinso há muitos anos. E a canção continua actual mais do que nunca. Todos aqueles que se regem pela ambição de mais e mais riqueza sem olhar a meios para atingir os fins estão a atacar em Portugal. São os destruidores do mundo que reinam na indústria nuclear. Atacaram Portugal, arranjaram os seus agentes na alta e influente sociedade portuguesa e agora só falta convencerem o Presidente da República e o primeiro-ministro. E pronto, neste minúsculo rectângulo, onde em três horas se pode ir num Ferrari do Porto a Faro, a velocidade astronómica de uma explosão nuclear poderá liquidar um pobre povo que nem sequer ainda tem energia eléctrica em muitos locais do seu país.
Que os portugueses possam compenetrar-se que têm de se mobilizar para gritar, bem alto: "Não, ao nuclear!". Que seja um assunto a decidir através de um referendo nacional.

não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear não ao nuclear

PAU COMMENTS

Jorge Cabral disse...

Este blog é de facto um espaço onde se pratica o respeito pela autêntica liberdade de opinião. E o que vou dizer, sendo eu um dos colaboradores e o redactor do presente post o editor do blog, é prova cabal do que acabo de dizer.
SOU FRONTAL E SEM QUALQUER HESITAÇÃO PRÓ-NUCLEAR.
Porque se trata de uma energia barata que pode contribuir decisivamente para uma redução dos desequilíbrios/injustiças sociais que hoje abundam.
grande parte dos receios que sobre ela caiem já não têm hoje qualquer cabimento e estou certo que se passasse a ser uma aposta generalizada, a ciência seria capaz não só de eliminar a quase ZERO os "riscos" de acidente, como resolver, COM VANTAGEM, o aproveitamento dos resíduos, que hoje, só graças à irresponsabilidade dos governos quanto a políticas consistentes e coerentes de GESTÃO DA ENERGIA, é que não estão resolvidos.
A meu ver, é por causa destes "traumas" que os verdadeiros abutres da sociedade (petrolíferas e afins) têm comido tudo num banquete que mata milhares de semelhantes nossos todos os dias, mas como isto não toca aos fazedores de opinião, vamos "assobiando para o lado" e lançando frases feitas como as que neste post são bem patentes.
Para o ilustre leitor A.marques que refere a pequenez do País, só lembro que sendo Portugal tão pequeno como diz, tem a energia mais cara da maioria dos países europeus. Isto não lhe faz pensar em nada?!
A maioria da "luta" contra a energia nuclear tem sido ardilosa e maldosamente manipulada na sombra pelos detentores do poder da actual "ordem económica" com os primeiros interessados como maestros.
A energia nuclear devia sim ser encarada como inevitável, tutelada pelas Nações Unidas e impossível de sair da esfera pública isto é impossível de qualquer veleidade quanto à sua privatização, aliás, como entendo que deveríamos agir de igual forma com a água.


a.marques disse...

Snr Jorge Cabral, é precisamente por querer pensar, que sem ideias pré-concebidas coloquei a questão em termos de dimensão do País. Para quem como eu não domina minimamente a matéria atalhei pelo lado básico que também poderá ser explicado. Quero deixar-lhe o agradecimento pela visão que transmitiu e que contribui seguramente para alargar o leque de distintas visões que só enriquecem um desejável, alargado e racional conhecimento.

...






>
Submarinos: Justiça alemã diz que cônsul abriu portas a Barroso

>
Autoridade da Concorrência chumba compra da Media Capital pela Ongoing

>
Ex-ministros atacam aposta de Sócrates nas energias renováveis

>
Jovem exigiu 500 euros a padre para viajar até Londres

>
O assalto perfeito em França

>
"Short selling" de casas é nova moda nos EUA


>
Benfica – Vieira recusa reatar relações com Pinto da Costa

>
Pinto da Costa: "O Benfica está bem lançado para ganhar liga dos túneis"

>
Jogo cruzado entre Ricardo Costa e Pinto da Costa

GAROTADA NA CÂMARA

> Os garotos na escola costumam brincar com coisas sérias. Sobem para uma árvore e partem uma perna. Atiram com um telemóvel e partem a cabeça ao colega. Insultam no recreio a irmã do chefe de turma e levam uma carga de bullying. Na Câmara Municipal de Lisboa aconteceu algo de semelhante. Há por lá uma garotada que gosta de brincar com assuntos sérios e talvez se tramem, mais uma vez, nas próximas eleições.
O povo elegeu um executivo para a edilidade lisboeta que tinha um programa. Goste-se ou não, foi eleito. Quando pretende cumprir o programa para bem da cidade e dos lisboetas, aparecem uns garotos que de política só sabem é andar a sacar umas massas às Juntas de Freguesias da sua cor política para editarem publicações desinteressantes e que ninguém lê. É esse tipo de garotada que votou contra o programa do executivo de António Costa e que provocou um prejuízo enorme em melhoramentos municipais que estavam projectados e que agora deixou de existir orçamento para os mesmos, como decidiu a Assembleia Municipal de Lisboa ao chumbar o orçamento camarário para 2010.
Há garotada que só à bofetada... até rima, e é verdade.

AFASTAMENTO DO CÔNSUL É ABSURDO

> O governo de Sócrates resolveu afastar de todas as funções o cônsul honorário de Portugal em Munique, por suspeitas de corrupção na compra de submarinos, o alemão Jurgen Adolff, assim que este foi indicado pelas autoridades alemãs como tendo sido intermediário em actividades de corrupção no negócio de aquisição de dois submarinos 'SS PO 2000' por um consórcio alemão.
A decisão é absurda se em simultâneo não for anunciado quem é que também sofrerá consequências por ter aceitado negociar com o cônsul. Até parece que o acto de corrupção do cônsul foi realizado com os marinheiros do Alfeite ou com os estivadores de Alcântara...

Júdice, o carrasco

Esta história dos submarinos arrasta-se há anos. Na década de 90 já um governo PS com os ministros Castro Caldas e Rui Pena andou em bolandas com a aquisição de submarinos e à procura de qual consórcio francês ou inglês daria melhores condições. Depois começou a "guerra" entre alemães e franceses para a venda de dois submarinos ao governo PSD/CDS (Durão Barroso-Paulo Portas), tendo o governo optado pelos alemães em detrimento do consórcio francês DCN (actual DCNS).
Há tempos, uma fonte próxima da empresa francesa, a qual chegou a ser apresentada como vencedora no concurso nos anos 90 e que voltou a ser consultada por Paulo Portas durante o governo de 2002/05, disse-nos que este assunto dos submarinos ainda iria dar muito que falar e especialmente pelo governo português ter prejudicado a empresa francesa DCN representada pelo advogado José Miguel Júdice. A mesma fonte adiantou que "eles nem sabem bem com quem se estão a meter. O Júdice não vai parar e será o carrasco destes fulanos que se decidiram pelo complô com os alemães". A verdade é que foi o ex-primeiro-ministro Durão Barroso, segundo informações dadas ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal, a informar o ministro Paulo Portas, que a escolha recaía no modelo alemão.
Ainda sobre este processo complexo, o advogado José Miguel Júdice, em representação da DCN, recorreu da decisão governamental Barroso-Portas para o Supremo Tribunal Administrativo devido a alterações dos pressupostos do contrato de aquisição dos dois submarinos.

Pág. 1/35