Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

guerra civil em portugal

 

 

 

> Quem ouve o Presidente da República a falar e simultaneamente Francisco Assis, Silva Pereira e Teixeira dos Santos pode naturalmente pensar que em Portugal, mais tarde ou mais cedo, irá acontecer uma guerra civil, nem que seja ao murro. O governo do PS enterrou a economia e deixou o país à beira da bancarrota e ainda vem comportar-se com a maior falta de dignidade jamais vista.

É importante e necessário que o Governo salve o país da bancarrota. Para isso, terá de contrair empréstimos a entidades estrangeiras. Cavaco Silva declarou perante o povo de que o Governo em gestão pode realizar perfeitamente esse desiderato. Mas, a vingança do PS serve-se fria e anuncia que estando o Governo em gestão não tem poderes nem condições para contrair empréstimos. Está verdadeiramente a brincar com o povo e quando esse mesmo povo sentir que está a cair no poço, cuidado com o que pode acontecer.

O PS que sempre teve uma atitude de grande responsabilidade pelos valores da liberdade e da democracia, está agora a empurrar os portugueses para o confronto grave, do qual pode resultar um regime ditatorial. Os actuais dirigentes do PS estão a encaminhar as responsabilidades da crise em que vivemos para o seio dos outros partidos, quando o povo sabe perfeitamente que a responsabilidade da situação apenas se deve a uma má governação nos últimos seis anos.

No caso de o Governo não assumir as suas obrigações de continuar a contrair a necessária intervenção financeira junto de entidades estrangeiras, assistiremos certamente a algo de muito grave no comportamento de quantos deixam de ter salário, aposentação, reforma, pão e leite.

Apelamos à sensibilidade patriótica da maioria dos socialistas que não se revê na liderança actual do PS, no sentido de tomar uma posição radical que obrigue os governantes a evitar que a violência generalizada se apodere dos portugueses.

 

se calhar foi um curso igual ao do outro

 

> Puro Prazer era uma empresa cujos sócios eram Paulo Campos, actual secretário de Estado e Marcos Baptista, administrador dos CTT. Há muito que se duvidou da veracidade da licenciatura que Marcos Baptista introduziu no CV. Desde 2005 que nos CTT o "senhor doutor" aufere rendimentos inerentes à função. Será que vai devolver todo o dinheiro recebido ilegalmente?, porque o referido administrador deixa os CTT após suspeitas sobre falsificação de currículo.

Ou terá sido por Puro Prazer?...

 

 

 

 

 

 

na tvi está muito calor

 

 

> Se a temperatura do ar subiu hoje em Lisboa para os 25 graus, na TVI o ambiente tem andado muito mais quente. O calor na redacção entre os jornalistas queima e se pega fogo a alguém poderá ir parar à secção das queimaduras vs prateleira...

 

Então, é assim: (vendida como me a vendeu um jornalista da TVI). Como sabem o Conselho de Redacção demitiu-se. Ninguém soube as razões. São muitas, mas tudo começou a descambar quando a "doutora" Judite de Sousa começou a querer ser a patroa da Informação. Realmente os vícios da RTP são insuportáveis para gente normal...

A Judite tem estado ávida de aparecer no ecrã e já fez o frete ao Teixeirinha dos Santos para uma entrevista onde o ministro irá explicar o que não tem explicação. Mas, o copo entornou quando a jornalista ex-RTP perguntou se já tinham pensado na cobertura jornalística do casamento do príncipe Williams, em Londres. Responderam-lhe que sim e até lhe indicaram o nome do jornalista que já tinha sido escalado para esse trabalho. Vaidade das vaidades, Judite respondeu que não seria assim e que a reportagem em directo do casamento real seria realizada por ela, elle méme.

E pronto, quem manda aqui sou eu, eu é que sou a vedeta e sou eu que vou. E assim, o ambiente na TVI está como podem imaginar...

 

desafio 60

 

 

 

 

Jorge Cabral*

 

 

SANTANA LOPES E OS PONTAPÉS NO BERÇO

 

Senhor Santana,

 

Se fossemos uma monarquia V. Exa. seria o bobo. Mais, se fossemos uma monarquia e o rei fosse o Don Juan já lhe teria dito “callate”. Mas não somos! Somos uma república e o nosso Presidente só soube traduzir este quadro em “moeda falsa”. Mas para bom entendedor…

Se bem me lembro, V. Exa. soube, com suficiente prosápia, mas com alguma infelicidade, criar a imagem dos pontapés no berço, onde V. Exa., metaforicamente falando, estaria tranquilo e deleitado em sonhos de poder e de bajulação das tias deste “rectângulo”.

Na altura reconheci-lhe alguma razão; não porque lhe reconhecesse valor para o lugar que inadvertidamente e sem dignidade ocupou, mas porque a atitude de corrosão e maledicência, perpetrada pelos seus pares me pareceu de grande baixeza.

 

Na verdade, V. Exa. não tinha/tem qualquer competência para o lugar que ocupou, e só alguém sem o mínimo de consistência, responsabilidade, dignidade ou autoridade, se deixa primeiro, conduzir para tal situação, e, posteriormente, varrer insultuosamente como lixo, como o Sampaio lhe fez. Possuidor de uma maioria absoluta, V. Exa. não teve a mínima capacidade para se impor, simplesmente porque não era merecedor do lugar, nem tinha a mínima noção do que fazer com ele, o que parece configurar alguma demência e uma considerável imbecilidade.

Mas o mais grave de tudo é que V.Exa. com o seu diletantismo habitual e uma enorme superficialidade em tudo o que aborda, insiste em continuar numa linha de irresponsabilidade e de inconsistência, contrariamente à atitude que lhe poderia grangear respeito e dignidade.

Lamento ter que lhe fazer um convite sério para que se cale e deixe de nos envergonhar. Simplesmente porque alguém que foi já primeiro-ministro não deve, melhor, não pode proferir as leviandades que V. Exa. tão insultuosamente, para o bom senso, para a inteligência e para a razoabilidade, tão facilmente parece insistir em corporizar.

 

Naquele célebre debate televisivo com José Sócrates é que o senhor teve toda a oportunidade de mostrar quem era, quem é, o que valia e o que vale. E fê-lo! V. Exa. mostrou ignorância nas matérias abordadas.

V. Exa. é o paradigma dos irresponsáveis que se têm apoderado das rédeas dos poderes deste pobre país e conduzido as suas simples e crédulas gentes ao lugar andrajoso, pungente e impensável em que nos encontramos. V. Exa. é bem o estereotipo dos políticos que me provocam profundfa náusea.

Há-os sérios e capazes mas, os do seu estilo tudo farão para se lhes opôr.

Não incomode mais os portugueses.

 

 

*Colaborador residente

 

 

 

 

trabalho sem trabalho

 

 

> À porta do Ministério do Trabalho estavam seis motoristas do Ministério em plena cavaqueira e a fumar o cigarrito da praxe, porque os seus "patrões" estariam no gabinete, possivelmente a ler o jornal, a tomar o café, a navegar na net e ao telefone a marcar a viagem de férias da Páscoa. Só naquele Ministério estão ali seis carros parados, seis motoristas a olhar para o boneco e que, muitas das vezes, têm que aguardar, durante horas extraordinárias, que os seus "patrões" acabem a jantarada para os transportar para casa.

A despesa pública reduz-se de todas as formas. Para quando a existência de carros com motorista na estrutura governamental apenas para ministros e secretários de Estado? Na Suécia, até os ministros utilizam os transportes públicos...

 

Pág. 1/30