Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

Chico esperto

O caso do vereador lisboeta do Bloco de Esquerda contribui para que mais pessoas se desinteressem pela política. E cada vez mais ouvimos os portugueses a dizer "quero que os políticos se lixem, são uma cambada de corruptos". O vereador Robles deu uma conferência de imprensa patética. Ele sabe bem que se não estivesse na Câmara de Lisboa nunca teria conhecimento que existia um prédio degradado em Alfama que se podia comprar por trezentos e tal mil euros. Mesmo assim, para um jovem ter esse dinheiro e mais outros milhares para a restauração do imóvel, o menino Robles é dos bloquistas ricos. Há quem defenda que pode ser-se de esquerda e ser-se rico. Pois, mas não podem passar o tempo em comícios a vociferar contra os ricos e contra a especulação imobiliária e respectivos despejos de idosos e depois vender um imóvel por milhões para arrendamento local. O vereador Robles é o típico chico esperto. Comprou baratinho para depois restaurar e vender por um balúrdio. O prédio esteve à venda por cerca de seis milhões de euros, bolas, que o menino é mesmo dos espertos e daqueles que nos fazem meter nojo dos políticos.

E depois temos o fisco, que ou é cego ou o menino Robles tem grande cunha para que a sua "casinha" não fosse avaliada conforme o valor dos seis milhões, mas sim dos trezentos e tal mil euros. Tudo nos conformes e o fisco avaliou a casa com mais de 10 divisões por uma bacatela e o chico esperto Robles não pagará o IMI que ele muito bem sabe que teria de pagar se tivesse havido legalidade. Ilegalidade? Sim, meu caro vereador contestatário. É que a restauração do prédio tinha de ter sido comunicada ao fisco. Enfim, uma tristeza em pleno que até leva o seu partido a continuar a dar-lhe confiança política em vez de o demitir de funções na edilidade.

correio-da-manha-2018-07-28-6b86b2.jpg

 

25 de Abril

Maria Filomena Mónica, por quem tenho a máxima admiração, concedeu uma entrevista ao "i" e afirma que ficou mais triste depois do 25 de Abril. Não foi só ela a entristecer. Conheço centenas de pessoas que ficaram tristes com a mentira que nos pregaram. Uns militares cheios de medo da guerra colonial lá combinaram para se pirarem e entregarem os territórios ultramarinos a gente que nem eles sabiam quem era. Só conheciam o Agostinho Neto, o Samora Machel e o Savimbi que fazia de intermediário em Angola para que os generais mantivessem o tacho. Foi triste terem dito que queriam uma democracia para depois estarmos há 40 anos a ver roubar o que é nosso e a vivermos na miséria ou à míngua da Europa. Ficámos tristes quando os governantes são continuamente acusados de corruptos e os deputados nem a morada certa transmitem ao Parlamento. Ficámos tristes por ter visto um Sócrates chegar a primeiro-ministro quando nem sequer servia para presidente da Junta de Freguesia da Covilhã. Ficámos tristes quando entregámos Macau saindo no último dia sem honra devido à criação de uma Fundação Jorge Álvares que escandalizou quantos ali viveram e só porque o governador sonhava em ser presidente da República. Ficámos tristes quando vimos desmantelar as Forças Armadas e até os hospitais dos respectivos ramos foram encerrados depois de anos e anos terem realizado um trabalho de excelência. Ficámos tristes porque o BES roubou milhões de euros aos seus clientes devido a um complô com o governo e de onde todos mamavam. Ficámos tristes por ver que em vez de se construirem bairros sociais decentes e bem enquadrados só se concederam licenças para hotéis, onde em muitos casos, a comissão foi de um milhão de euros. Ficámos tristes por ter de financiar uma RTP que só sabe dar propaganda aos governos e ofender os emigrantes com a programação que envia para o areópago internacional. Ficámos tristes porque não temos democracia nenhuma e nem sequer podemos eleger quem queremos. Enfim, estaríamos aqui uma semana a escrever porque é que esses militares do 25 de Abril nos enganaram e porque os seus seguidores se comportam como marginais.

i-2018-07-27-ef2d12.jpg

 

 

Suborno

Seja heterossexual, homossexual ou lésbica o suborno está na massa do sangue. Pelas autarquias nem se fala. Ainda há meses um autarca "vendeu" um baldio por dois milhões de euros, terreno esse onde vão aparecer prédios. Nada se faz numa autarquia sem que haja dinheiro por baixo da mesa. Nos governos os casos são mais bicudos e quem manda é a Opus Dei e a Maçonaria. Na zona de Lisboa, uma inspectora do SEF foi apanhada a receber dinheiro de um advogado e foram presos. Ontem, o chefe dos SEF de Albufeira foi detido por suborno. Recebia 500 euros por cada imigrante. Acelerava as legalizações e aquilo era uma mina. Nos vistos Gold tem sido um escândalo. Desde ministros aos funcionários do meio da tabela, toda a minha gente recebia e ainda recebem à fartazana dos chineses, pelo menos. Um empresário ucraniano disse-me que lhe pediram 1,5 milhões para que o visto Gold lhe fosse dado em 15 dias. E sobre os vistos Gold quem não se lembra do primeiro visto que foi entregue. Um verdadeiro escândalo. O primeiro visto Gold foi entregue por Paulo Portas, na altura ministro dos Negócios Estrangeiros, que se deslocou à Índia para simplesmente entregar o visto ao empresário indiano Muthu Nesamanimaram. Mas, a que propósito é que Paulo Portas se deslocou à Índia para entregar o visto? E teria ido de submarino?... Porque não veio o empresário a Portugal tratar do assunto como todos os outros fazem? O indiano viria a comprar três hotéis em Albufeira. Será que Paulo Portas tem estadia de borla nesses hotéis? O suborno está na massa do sangue dos tipos com o poder de decisão e depois são presos todos os que roubem umas bananas no supermercado...

Paulo Portas.jpg

 

Eclipse

Amanhã temos eclipse da Lua e é o mais longo do século. Quem se devia eclipsar eram alguns governantes, deputados e autarcas.