Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

ANGOLA IGUAL A MACAU

 

 

 

> O espectáculo é triste. E por que será que temos de ser assim? Uns sanguessugas permanentes e itinerantes. O filme é de papel químico ao que se passou com Macau. O palco agora é Angola. Assisti a um dos espectáculos mais tristes da minha vida com tudo o que era empresa de construção civil, de comunicação social, de aviação, de gestão de aeroportos, de laboratórios, de tudo e mais alguma coisa. Foram políticos de todos os quadrantes, sindicalistas, advogados, arquitectos, engenheiros, jornalistas, livreiros, médicos, enfermeiros, hoteleiros, militares, cozinheiros, pasteleiros, filatélicos, pilotos de carros, de motos e de aviões, empresários de todos os ramos do comércio e da indústria, prostitutas, toda a minha gente era convidada ou fazia-se convidada, ou decidia-se pela aventura de uma experiência macaense. Foi um rodopio de chegadas e partidas à procura do El Dorado. Cheguei a pensar que Macau iria levar uma grande volta cultural e que de uma vez por todas a terra iria ficar aportuguesada. Debalde. O vai-e-vem que vos referi apenas teve um objectivo: sacar dinheiro. E felizes e contentes daqueles que o conseguiram. Que lhes faça bom proveito. Só lhes peço um favor: que nunca digam mal da terra.

Agora, é tal e qual o mesmo: para Angola e em força. Toda a gente quer sacar o seu. Até a RTP se deslocou para um programa vergonhoso de uma "graxa" que deve ter valido muitos milhões de euros para a sua sobrevivência. Em Macau, o governador convidava, oferecia e o pessoal debandava anunciando aos quatro ventos que se tratava do melhor português do mundo. Agora, Eduardo dos Santos deu ordens para distribuir petrodólares por tudo o que for português. Uma boa maneira de tapar a ditadura e até lhe beijarem os pés. O portuguesinho é tramado. Primeiro, para Angola que era nossa, que era preciso matar os terrorristas. Depois, demos-lhe a independência para que sigam o seu caminho sem o nosso "colonialismo". E agora, são nossos irmãos a quem é preciso sugar o que for possível em forma de neo-colonialismo, perdão, em forma de longa e fraterna amizade entre os dois povos...