Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

novo partido

 

> Vêm aí um novo partido político. Os estatutos e o programa já estão concluídos e podemos adiantar que o novo partido será denominado por PCSD (Partido dos Críticos Socias-Democratas). Os mentores do novo partido sintetizaram ao nosso blogue que "a nossa política é muito clara, essencialmente vai da linha CDS até à do BE". O novo partido vai assentar essencialmente em críticas. Críticas por tudo e por nada. Críticas à direita e à esquerda de Passos Coelho. Críticas a tudo o que o governo de Passos Coelho levar a efeito. Consta mesmo, que o PCSD também criticará os ministros que forem mais de uma vez à casa de banho durante as horas de trabalho...

Os fundadores do partido são figuras ilustres da conhecida inveja, incompetência, revanchismo e vinganças políticas, estando entre os principais membros da Comissão Nacional os destacados cotas Marcelo Rebelo de Sousa, Manuela Ferreira Leite, Marques Mendes, Rui Rio e Morais Sarmento. Segundo as nossas fontes, o PCSD já entrou em funções, mas sobre esse assunto consta que no Tribunal Constitucional já deu entrada uma providência cautelar assinada por Miguel Macedo e Miguel Relvas, mais conhecida pela petição dos Miguéis...

 

soares é fixe

 

> O inimaginável aconteceu. O PSD jovem em pé a bater palmas e a gritar "Soares é fixe, Soares é fixe!". O dinossauro não criticou Passos Coelho. Com mais uma sessão idêntica e com o PS de costas voltadas para Mário Soares, ainda vamos assistir à eleição de Soares como presidente honorário do PSD...

 

ps volta a vencer

 

> Abriu-se o champanhe novamente no gabinete do PS na Assembleia da República. A alegria é esfuziante, mesmo contra a opinião de um dos melhores socialistas como o é António Costa. O PSD, Passos Coelho e Fernando Nobre sofreram um chumbo, perdão, dois chumbos.

 

PAU COMMENTS

 

De a.marques a 20 de Junho de 2011 às 19:11
Se o partido do Dr. Portas chumbar a eleição do Dr. Nobre merece uma lição exemplar e expedita. O PSD não deve insistir nesse candidato, e declarar intenção de apoiar uma alternativa do PS ou do PCP. A finalidade seria mesmo entalar Passos Coelho? A alegada razão de compromisso anterior, seria um bom motivo para não tirar o tapete ao parceiro de coligação independentemente do mérito da escolha. Fernando (pouco) Nobre. Já toda a gente tinha percebido que era um factor de perturbação. Quis ser problema sério apresentando-se na 1ª votação. Não quis perceber que passou a vírus sem remédio e insistiu. Manda um mínimo de dignidade que saia pelo próprio pé, que Passos já tem problemas que bondem . A cegueira pelo capacho não lhe pode toldar o discernimento. Para concluir, não percebo o drama semeado pelos enviados da comunicação social com adjectivos a roçar a tragédia. Ao contrário, acho que o grande vencedor acabou por ser Passos Coelho que se libertou de uma armadilha. E se bem me lembro nunca vi a AR funcionar com tanta transparência, rigor e respeito pelos cidadãos. A comunicação social para além de não saber informar não sabe promover uma pedagogia democrática. Reciclem.

 

portas merecia uma lição

 

> Paulo Portas perdeu toda a credibilidade. Passou os últimos tempos a fazer-se ao piso ao PSD. Levou com os pés sobre um acordo pré-eleitoral. O PSD sabia lá se ganhava as eleições. Depois começou a criticar o PSD e a desfazer-se em insinuações ao PS, porque os socialistas estavam em empate técnico.. José Sócrates chegou a retribuir os elogios, já a pensar num governo PS/CDS. Chegaram as sondagens verdadeiras e anunciaram uma vantagem progressiva do PSD podendo ainda chegar à maioria absoluta. Neste caso, o PSD não precisaria para nada do CDS. Antes, uma coligação com um PS sem Sócrates. Ontem, Paulo Portas veio dizer que possivelmente não integrará um governo com o PSD. Pois, era bem feito que o PSD conseguisse uma maioria absoluta para que também Paulo Portas fosse pelo mesmo caminho de Sócrates, com o seu partido a eleger um novo líder.

 

 

Quem andou não tem para andar

 

 

palhaçada

 

> Os pseudo democratas andam eufóricos. Pseudo, por quê? Porque não são democratas, não aceitam derrotas, não aceitam que os adversários sejam alguém na política. É o caso dos barrosistas e santanetes que pululam pelo PSD. Barrosistas e santanetes que vão eleger José Sócrates. Talvez com a reeleição de Sócrates hajam mais casinos para abrir e comissões para receber...

 

PAU COMMENTS

 

De Jorge Cabral a 7 de Maio de 2011 às 14:46
É deprimente constatar o grau de imbecilidade dessa gente.
Os Barrosistas, "meninos da linha" e "oportunistas de cartola", deviam, no mínimo, seguir o seu chefe e emigrar.
Quanto a Santana, o paradigma mais lastimável do PSD, seria tempo de nos poupar às suas diatribes e mediocridades confrangedoras. Esse projecto de idiota, deveria ajoelhar-se à passagem de qualquer militante do PSD pela vergonha que fez passar a todos quantos acreditamos no ideal da social democracia. Aceitando o poder como quem aceita uma esmola, fez dele uma plateia para exibir vaidades torpes e próprias de quem não tem a mínima noção dos sacrifícios a que um estadista tem que se obrigar. E não só isto, mas também por gritante incompetência.
Grave é igualmente que as televisões promovam esta cambada, e nos obriguem a "engoli-los" e a pagar o que esta nojenta passagem de lastimáveis modelos acarreta.
O sócrates é um irresponsável e um criminosos compulsivo, mas não é só por causa dos 6 anos dele que estamos assim. Há, sem dúvida que ter em devida conta o somatório das intervenções de muitos asnos, ladrões, intrujões, dementes, e demais incapacitados para se apoderarem da coisa pública, que o fizeram de facto, para castigo de todos nós.

 

psd indecifrável

 

 

> Há muito boa gente que não está a perceber o que se passa no PSD. Agora, que tudo indicava que o partido caminhava para uma possível maioria absoluta sob a batuta de Pedro Passos Coelho, as notícias são indecifráveis: Luís Filipe Menezes não aceita ser deputado (quer ser ministro?); António Capucho não aceita ser deputado (quer ser presidente da Câmara de Lisboa?); Manuela Ferreira Leite não aceita recandidatar-se a deputada (quer ser mais avó?); Pacheco Pereira critica o líder em todo o lado (quer ser posto na rua?); Nuno Morais Sarmento não concorda com o convite a Fernando Nobre (quer ser líder... da associação de boxe?). Hum!... estaremos perante um mistério ou uma herança?...

 

PAU COMMENTS

 

De a.marques a 12 de Abril de 2011 às 16:31
 
MISTÉRIO E HERANÇA EM DUAS PALAVRAS:
-Da distante primavera marcelista ás ensaboadelas de Marcelo que nos seus comentários não deixa vislumbrar rasto da passagem de Sócrates por estas paragens.
-E o que adiante se assinala neste texto sobre os amigos da onça de Passos
PRINCÍPIO SEM PRINCÍPIOS
Fernando Nobre descredibilizou-se irresponsavelmente , suplantando na abordagem á primeira curva o pouco crédito que resta aos partidos e aos políticos que já andava por aí muito mal parado . A novidade mais chocante é que o Dr. Nobre caiu ao primeiro sopro de chamamento ao aconchego de um mundo cão onde só podia ver e lamentar atropelos e indignidades. O que por si só não é grave a não ser para a reputação do próprio pelo suicídio fatal que praticou á nascença . O lado mais lamentável e mesmo inqualificável da atitude é que tal demonstração de falta de estatura e de respeito para consigo próprio desferiu um rude golpe em qualquer impulso de cidadania que possa vir a perfilar-se no horizonte. Péssimo serviço á causa que tanto badalou. Passos Coelho não pode continuar a oferecer trunfos ao desbarato a quem aproveita tudo e o seu contrário para manobrar e fazer render qualquer oferta e a qualquer preço. O que anunciou não é apenas um risco, só podendo ser entendido por autoflagelação induzida por conselheiros amigos da onça. O alto cargo de Presidente da AR pressupõe e deve ser entendido como ponto alto de uma meritória carreira política a merecer distinção consensual dos seus pares. As carreiras militares não se iniciam no posto de general. Atenção aos seus corpos e aos anticorpos com que se deixa brindar. A única vantagem remota poderá ter sido roubar o trunfo ao PS, que não se coíbe de querer lavar a cara onde os outros patinham com os pés. Veja-se o aproveitamento indecoroso, do que no máximo terá sido uma imprecisão lateral de Passos Coelho ao falar no telefonema sem referência a mais um encontro armadilhado (em que Passos acaba sempre por cair), mas o que não altera a substância do que foi importante e enredado. Notável o descaramento da acusação de mentira de uma seita que não tem feito outra coisa senão iludir-nos sucessivamente com trapalhada nas raias do delito criminoso.

 

 

pensei que era 1 de abril

 

 

> Uma grande jogada política do PSD cheia de abrangência e diversidade na obtenção de votos escolhendo Fernando Nobre, ex-candidato à Presidência da República, para cabeça de lista por Lisboa com a intenção de vir a ser o presidente da Assembleia da República, deixou-me de tal forma estupefacto que pensei ser hoje dia 1 de Abril. Fernando Nobre é o candidato do PSD à presidência da Assembleia República.

 

 

 

 

o governador bom deixou-nos

 

 

 

> É com muita tristeza que vos informo que o Professor Joaquim Pinto Machado, ex-governador de Macau morreu ontem, no Hospital de S. João, no Porto onde já estava internado há muito tempo. Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, membro da ala liberal de Francisco Sá Carneiro, membro do Conselho Nacional do PSD, mandatário da candidatura presidencial de Mário Soares em 1985 e governador de Macau entre Junho de 1986 e Julho de 1987. E por quê tão pouco tempo à frente da governação de Macau?

Porque era um homem sério, culto, íntegro e bom. Este homem bom que se lamenta não ter escrito as suas memórias sobre os momentos terríveis que viveu durante a sua administração macaense. Falei várias vezes com o Professor e ele nunca compreendeu a razão pela qual os chineses olhavam os portugueses como "sacadores" da árvore das patacas. Tive a oportunidade de lhe explicar e de lhe dizer que a sua idoneidade e formação académicas nunca poderiam aceitar as máfias que reinavam em Macau, que nunca poderia aceitar as comissões em dinheiro que corriam por baixo da mesa por toda e qualquer adjudicação de obra pública ou mesmo de um simples licenciamento de importação de prostitutas, que nunca iria aceitar depósitos em contas bancárias na Suíça, Madrid ou Funchal, que nunca iria aceitar que o dinheiro sujo do jogo construisse uma casa para si no Algarve com piscina e campo de ténis, que nunca iria aceitar a oferta de vários contentores com toda a espécie de mobiliário e outros objectos da antiguidade chinesa a caminho da sua garagem, que nunca iria aceitar passeios de iate em Hong Kong onde eram acordados os quantitativos a entregar ao seu PSD, que nunca iria aceitar a existência de portugueses de primeira, de segunda e de terceira categoria num enclave dominado por meia dúzia de "imperadores" chineses e portugueses.

Enfim, as nossas conversas terminaram no dia em que me disse que eu podia publicar a notícia de que se ia embora porque, na verdade, eu tinha razão no que lhe tinha dito, acrescentando outros factos de que eu não tivera conhecimento. Aconteceu que no interior do seu próprio Governo houve quem o tivesse traído e quem o quisesse ver de Macau para fora para poder "reinar" a seu bel-prazer, o que veio verdadeiramente a acontecer.

Neste momento triste em que Macau perdeu o seu Governador mais sério e de um comportamento exemplar no sentido de provar aos chineses que Portugal ainda tem homens com espinha dorsal, quero deixar as minhas condolências à sua família dizendo-lhe que pode orgulhar-se de ter tido como vosso ente querido um homem como poucos a dignificar o nome de Portugal.