Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

Eles andam por aí

Eles e elas. Não tinham nada, viviam com os pais, inscreveram-se nos partidos políticos e ficaram ricos. Elas compram logo um Audi, Mercedes, ou BMW descapotável. Eles preferem um Porsche. São directores ou presidentes de um departamento público ou empresa pública. Em menos de cinco anos estão milionários. Passam a viver numa vivenda com garagem para o carro que o motorista do Estado lava e limpa. Passam férias num resort do Algarve, Ibiza ou Bali. Os antigos amigos perguntam-se como é possível enriquecer-se assim em tão pouco tempo se o salário não ultrapassa os 2.500 euros? Algumas delas vimo-las a almoçar ou a jantar no mesmo dia com tipos diferentes. E são directoras disto e daquilo. Outras chegam a ministras e atrevem-se a abordar investidores estrangeiros dizendo-lhes que o seu partido precisa de dinheiro. A corrupção impera por todo o lado o que é função pública, especialmente, nos cargos que decidem alguma coisa. Principalmente, quando há a permissão de ajustes directos. Para provar o que escrevi temos aí o exemplo do Turismo do Norte. Mais de 5 milhões roubados ao Estado. Cinco já foram presos. Eles e elas. E ainda irão ser presos mais porque o clã é enorme. Falsificavam documentos, cometiam fraudes, recebiam dinheiro pelos ajustes directos e até fizeram jogo sujo com o Vitória de Guimarães e Sporting de Braga, clubes que não estão nada inocentes. Sabiam bem o que se estava a passar. O Turismo do Norte chegou ao ponto de ter à frente da sua gestão um fulano que era do PSD, mas assim que viu que o PS iria estar no poder por muitos anos, passou a ser socialista e até aproveitou para agradar à sua directora que é mulher do autarca socialista de Santo Tirso. É vê-los por aí... a levarem uma vida faustosa, a meterem inveja às amigas com a última Chanel que compraram com o dinheiro da corrupção. O que nos vale é que a PJ começa a acordar para casos que todos sabem mas que dantes se fingia não existirem. Agora não, investiga-se, recolhem-se as provas e prende-se a bandidagem. Só esperamos que os juízes não lhes dêem penas suspensas...

Turismo.jpg