Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

novidades eleitorais

 

 

>  Na sede de Manuel Alegre, no hotel Altis, houve mau perder. Reinou o silêncio e a sala vazia.

 Cavaco venceu na terra de Alegre, Aveiro.

 No bastião comunista de Beja Cavaco ganhou.

 Alegre não ganhou no Círculo de Sócrates, Castelo Branco.

 Na cidade da cultura - Coimbra -, Alegre ficou muito triste por perder para Cavaco.

 Évora socialista votou Cavaco.

 Fernando Nobre consegue três segundos lugares em concelhos algarvios.

 Nobre perde para Alegre em Leiria por apenas 240 votos.

 Em Lisboa foi onde houve mais dispersão de votos.

 Cavaco voltou a perder em Avis e Campo Maior (Alentejo)

 Nobre surpreende no Porto com 15%.

 Em Santarém só Alpiarça derrotou Cavaco.

 O comunistão Setúbal virou cavaquistão.

 Defensor Moura nem em casa (Viana do Castelo) conseguiu melhor que o terceiro.

 Cavaco obteve o melhor resultado (65,4%) em Vila Real.

 Viseu continua fielíssimo a Cavaco com 64,9%.

 Carlos César foi dos mais derrotados com Cavaco a obter nos Açores mais do dobro de Alegre.

 Coelho derrota Jardim tirando a maioria absoluta a Cavaco.

 O Cartão do Cidadão mandou muita gente para casa sem votar.

 Manchete sem nível:

manel

 

 

 

> - Bom dia, pá! Então, o Cavaco lá ganhou!

 

- Não, pá! O Cavaco perdeu para a abstenção...

 

- E ouve lá, o Contra-Informação ainda não acabou!

 

- Acho que sim!

 

- Não, pá! Continuo a ver o Manel Triste...

 


três vencedores

 

 

> Nestas eleições presidenciais Cavaco Silva foi o vencedor esperado e a sua vitória à primeira volta foi o resultado há muito anunciado. O grande vencedor, entre os derrotados, foi sem dúvida Fernando Nobre, que sem qualquer apoio partidário e assumindo-se como um candidato da cidadania e da solidariedade, obteve mais de 10 por cento. Este resultado é uma surpresa atendendo que Manuel Alegre teve o apoio de dois partidos, o Socialista e o Bloco de Esquerda. O terceiro candidato que pode cantar vitória é José Manuel Coelho, que obteve uma votação estrondosa na Madeira e um resultado nacional acima do candidato-deputado Defensor de Moura.

 

cartão do cidadão impede portugueses no estrangeiro de votar

 

> Os responsáveis pela emissão do Cartão do Cidadão mentiram aos portugueses residentes no estrangeiro quando informaram que poderiam votar sempre que se realizassem eleições. Nada mais falso. Os portugueses que residem no estrangeiro e que adquiriram o Cartão do Cidadão foram impedidos de exercer o seu dever cívico, visto que ao adquirirem o referido cartão, a sua inscrição nos cadernos eleitorais nos países de residência foi automaticamente anulada. Grande vergonha para a máquina governativa que andou a apregoar as virtudes do "simplex".

 

 

 

muita abstenção

 

> Tal como já referimos anteriormente a possibilidade da abstenção muito elevada confirmou-se. A abstenção situou-se aproximadamente nos 50%. Este número de abstensionistas tem a ver com muitos portugueses que não votaram devido ao Cartão do Cidadão não incluir o número de eleitor. As "virtualidades" da porcaria do "simplex" ficou bem à vista...

 

 

 

há bronca com o cartão do cidadão

 

> Muitos eleitores dirigiram-se às mesas de voto com o cartão de cidadão, que era suposto inserir o número de eleitor. Os referidos cartões não possuem o número de eleitor e o pessoal das mesas de voto não pode permitir a votação sem saber se essa pessoa está ali inscrita e qual o seu número de eleitor. Em várias secções de voto é a barafunda total e ninguém sabe resolver o problema.

 

não vi muita gente

 

> Dei uma volta por alguns locais de voto para estas presidenciais e fiquei com a impressão que a abstenção vai ser significativa. Ou então, o frio que se faz sentir provocou que muitos eleitores só se decidissem a sair de casa da parte da tarde. Na minha secção de voto sempre apanhei uma fila com o mínimo de 10 pessoas em qualquer eleição e hoje nem sequer uma pessoa estava para votar. Cheira-me que anda mais gente farta da malandragem política do que aquela que seria de supor. Veremos logo mais às 19.00 horas.