Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

Não se esqueçam das garrafas de vidro e dos verylight

 

> O patinho lindo ficou feio. De uma manifestação grandiosa e significativa para uma minoria que deve pensar que o povo não tem mais nada que fazer do que andar a atirar garrafas de vidro e verylight para cima de polícias. Há que haver bom senso e saber medir o momento em que uma manifestação, um protesto ou uma concentração pode dar muito efeito. Dez mil prometem ir a Belém em dia de Conselho de Estado.

 

 

120 mil nas ruas de Lisboa


Mais de 120 mil manifestantes marcharam pelo centro de Lisboa contra a política do governo de José Sócrates no que respeita à avaliação dos professores. Durante a manifestação usaram da palavra vários dirigentes sindicais e representantes das associações dos professores, tendo sido anunciada uma greve nacional para o dia 19 de Janeiro do próximo ano, a qual a realizar-se irá paralizar todas as escolas do país.

Milhares de portugueses contra o Governo

"O povo é cobarde no sentido em que a revolta não se manifesta pelo dar a cara, pela contestação aberta, mas pela maledicência de café, pelo boato, pela intriga, pela calúnia"

Miguel Sousa Tavares, jornalista-escritor


O povo hoje está nas ruas de Lisboa a contrariar Miguel Sousa Tavares e todos aqueles que pensam que o descontentamento não tem limites. Não são apenas milhares de professores que estão a acorrer ao Terreiro do Paço para participarem na maior manifestação de sempre. São milhares de descontentes, de injustiçados, de desempregados, de portugueses sem casa, sem subsídio algum de subsistência. São portugueses fartos de ver os poderosos passarem impunes nas falências dos bancos, nos roubos nas autarquias, no compadrio e na corrupção nos institutos e empresas públicas, no enriquecimento fácil nos gabinetes do Governo, são bombeiros que preferem faltar à cerimónia hipócrita de homenagem aos bombeiros, são os enfermeiros que continuam a ser esquecidos, são os familiares dos militares que sentem o desprezo a que o Governo vetou os homens e mulheres das Forças Armadas, são os socialistas como Manuel Alegre que discordam das teses anti-sociais ministradas pelo Governo, são os jovens licenciados que trabalham na limpeza dos jardins ou nas caixas dos hipermercados, são todos aqueles que já abriram os olhos perante a mentira imensa.
Esta tarde, em Lisboa, mais de 100 mil portugueses vão gritar bem alto o seu protesto contra a arrogância de um Governo que deixou cair o ensino em Portugal no maior lamaçal jamais imaginado por professores, estudantes e pais dos alunos. O aviso ao Governo vai ser grande e, desta vez, talvez não vá ficar tudo na mesma no reino de Sócrates e companhia. O desprezo pelo povo tem limites... e rir dos outros é só no circo.