Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

Portugal vai para o caos

 

> As manifestações não páram. As greves vão suceder-se. Passos Coelho fala em violência ao PCP. Jorge Sampaio decide-se por "animar" a malta com futura rebelião. Os militares e polícias limpam armas. As manobras de "forças ocultas" já pagam para que a violência seja um facto, nem que seja um ministro morto a tiro. Este país já era. Emigrem. Futuro? No optimismo: o caos.

 

 

CORREIO QUE ENTRISTECE

 

> Recebi um e-mail de um amigo que traduz bem o estado de espírito em que muitos portugueses se encontram com a situação actual do país. Vejam só uma parte do seu conteúdo:

"Revolta-me olhar para a televisão e ver um aldrabão, MAIOR que o sócas, que subiu ao poder com base em promessas que até agora não cumpriu nenhuma. E ele que não venha com a desculpa do que encontrou, pois parece-me óbvio que esse argumento já não pega. O bpn e a madeira é que nos meteram na merda. O que estamos a assistir, é uma pouca vergonha. Quando retiram rendimentos aos funcionários públicos, e os privados também cada vez pior, não posso aceitar que haja quem vá para assessor dum ministro, ganhar 2 mil e tal e 3 mil e tal euros, mais as mordomias.
A minha mulher é professora. Desde o ano passado já lhe comeram mais de 700 euros, fora os subsídios, e os livros com que ensina, é ela que os paga, fora tudo o resto, que tem de pagar, sem ter direito, e muito bem, a mordomias.
Isto já só lá vai ao tiro, e por mim, essa corja marchava toda, que impunemente vivem à custa de quem trabalha. Temos deveres, para vivermos todos condignamente em sociedade, mas também temos direitos já que contribuímos para isso. Mas o que nos estão a fazer, é a subjugar e a manipular.
Escravidão e miséria, não. Ouvi hoje que estão a preparar-se para sacar mais 40% à função pública. Vai ser lindo. Eu, há um mês que não faço nada. 
E o pouco que fiz em Dezembro, ainda não recebi. E já começo a ter dúvidas se virei a receber. Quero ir embora, mas com um enteado deficiente, que raio faço à vida? Deixo-a sozinha com o miúdo? Estamos lixados…. razão tinha a outra, se não temos dinheiro para pagar, o melhor é que se morra".