Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pau Para Toda A Obra

Pau Para Toda A Obra

censura chaviana originou pancadaria

 

> Uma reclamação da oposição sobre um corte de som originou uma cena de pancadaria no parlamento venezuelano, envolvendo um deputado do partido do presidente e outro da Mesa de Unidade Democrática. Henry Ventura, do Partido Socialista Unido da Venezuela, no governo, e Alfonso Marquisa, da opositora Mesa de Unidade Democrática, envolveram-se em confrontos a meio de uma transmissão simultânea de rádio e televisão sobre a interpelação de vários ministros no parlamento.

O incidente deu-se depois do opositor Alfredo Ramos ter reclamado que o governo está em dívida com os venezuelanos pelo alto custo de vida e pela alta inflação. A sua intervenção foi suspensa e o som cortado por ter consumido o tempo limite que lhe fora concedido, levando o opositor Alfonso Marquina a subir até junto do presidente e a reclamar sobre o corte em nome da bancada opositora.

As imagens da transmissão televisiva mostraram o momento em que Henry Ventura tentava tirar o colega do sítio, dando-lhe vários golpes, que foram retribuídos, levando à suspensão temporária da sessão.

 

O GOVERNO DEVIA TER VERGONHA QUANDO ESCOLHE A VENEZUELA

> O governo português vai de mal a pior. Lamentável é a opção de que o parceiro preferido para o "progresso" seja o pior do mundo.

Portugal está na 24.ª posição da lista dos melhores países para fazer negócios. Uma queda de cinco posições no ranking elaborado pela revista Forbes, que analisa 128 países. A lista é liderada pela Dinamarca, e no pódio estão ainda Hong Kong e a Nova Zelândia.
O estudo analisa 11 indicadores, como carga fiscal, performance do mercado, liberdade individual, corrupção, tecnologia, inovação, protecção aos investidores, direitos de propriedade e liberdade comercial e monetária, entre outros.
Portugal surge em 1.º lugar em liberdade individual e obtém também boa classificação em liberdade monetária e comercial (11.ª e 12.ª, respectivamente). Nos direitos de propriedade fica na 23.ª posição, em tecnologia na 30.ª e na protecção aos investidores e corrupção na 31ª. No burocracia, aparecemos no 43.º lugar e na carga fiscal em 57.º. A pior classificação refere-se à performance de mercado - 69.ª posição.
No top 10 estão ainda o Canadá, Singapura, Irlanda, Suécia, Noruega, Estados Unidos e Reino Unido. Os EUA caem do 2.º para o 9.º lugar, enquanto Hong Kong faz o caminho inverso. O Reino Unido cai da 6.º para a 10.º posição.
O pior país para fazer negócio é a Venezuela, antecedido imediatamente por Zimbabwe e Chade.

HOMENS DE CHÁVEZ MATAM DIRECTOR DE JORNAL


> O meu respeito pela memória de um grande homem e jornalista. Israel Márquez foi assassinado porque criticava Hugo Chávez. O ditador mandou-o matar. A Venezuela vive momentos de grande preocupação quando uma voz séria e defensora da verdade é assassinada com meia dúzia de balas.

A vergonhosa versão oficial da polícia diz que Israel Márquez, director do jornal venezuelano 'Diario 2001', morreu numa tentativa de assalto. Mas a empresa proprietária do diário culpa o Governo de Hugo Chávez, lembrando que Israel tinha escrito na véspera de morrer uma coluna em que lamentava que na Venezuela continuasse a não existir vontade política para proteger os cidadãos.

Israel Márquez, de 68 anos, tinha ido jantar com a mulher à casa do filho. À saída, cada um foi para um carro (ela tinha vindo de casa, ele do trabalho). Foi então que dois homens armados fingiram uma tentativa de assaltar a mulher e Márquez reagiu. A polícia contou 15 impactos de bala no carro do director do jornal, sendo que seis acertaram em Israel. Dois criminosos foram presos; um terceiro, que tinha ficado no carro, fugiu.

O director do jornal crítico do presidente não resistiu aos ferimentos. "A dor que afecta os familiares de Márquez e o mundo da comunicação não pode silenciar a nossa condenação aos responsáveis principais da violência e impunidade que assolam o povo venezuelano representados no regime de Chávez", disse o jornal.

O regime de Chávez é criminoso e todos os que apoiam este ditador são iguais a ele.

GRANDE AMIGO

> A Galp Energia queria explorar petróleo na Venezuela, mas o governo de Hugo Chávez adiou o concurso.

O governo da Venezuela adiou para o final do ano o lançamento do leilão para a exploração dos blocos petrolíferos de Carabobo, na faixa do Orinoco. Uma licitação a que a Galp Energia se prepara para concorrer. No final do ano voltamos a falar...